Indumentária, f. Arte do vestuário. História do vestuário. Sistema de vestuário, em relação a certas épocas ou povos.

in Cândido Figueiredo, Pequeno Dicionário da Língua Portuguesa, "Dicionários Bertrand", 21ª ed., Lisboa, Livraria Bertrand, 1981.

Tuesday, December 15, 2009

Ondeantes de Vénus...



















O ar, a terra e o mar juntaram-se para ondear por aí...
Estes três pares de mangas foram uma encomenda que o Umbigo de Vénus® decidiu publicar assim... juntinhas...

Ondeantes de Vénus.

Ondeantes do Mar Negro


O preto é sempre preto e com preto não me comprometo. O preto é sempre elegante.

Estas são as Ondeantes de Vénus V ou as Ondeantes do Mar Negro.
Louvada seja a dança,
ela libera o homem
do peso das coisas materiais,
para formar a sociedade.
Louvada seja a dança,
que exige tudo e fortalece
a saúde, uma mente serena
e uma alma encantada.
A dança significa transformar
o espaço, o tempo e o homem.
Que sempre corre perigo
de perder-se ou ser somente cérebro,
ou só vontade ou só sentimento.
A dança porém exige
o ser humano inteiro,
ancorado no seu centro,
e que não conhece a vontade
de dominar gente e coisas,
e que não sente a obsessão
de estar perdido no seu ego.
A dança exige o homem livre e aberto
vibrando na harmonia de todas as forças.

Ó homem, ó mulher aprende a dançar
senão os anjos no céu
não saberão o que fazer contigo.


Santo Agostinho

Ondeantes de Vénus IV


Estas ondeantes em vez de fazer lembrar os mares ou os céus, fazem lembrar as florestas, os duendes, as folhas que voam...
Em dois tons de verde.
Estas Ondeantes de Vénus são ligeiramente diferentes das primeiras.

Ondeantes de Vénus III


As Ondeantes de Vénus voltaram. São mangas que voam nos braços, ondeiam, ondulam...

Estas ondeantes foram uma encomenda. Ela gostou tanto. E o Umbigo de Vénus® também.
O artista, as suas ferramentas e a sua obra estão fundidos numa única entidade física: o corpo humano. Provavelmente esta característica da dança contribui para determinar o tipo de pessoa que escolhe este veículo. Nas outras artes, o criador projecta o seu eu sobre um objecto exterior e tende a desaparecer por trás dele; e com razão, porque, se um artista vaidoso atrair a atenção sobre si mesmo, entorpecerá a contemplação da sua obra junto dos espectadores. O bailarino, no entanto, não pode mostrar a sua obra sem exibir-se. (...) O bailarino não actua sobre o mundo, evolui nele.

Rudolf Arnheim

Wednesday, December 9, 2009

Justilho Astarte Petróleo e Prata & Harém de Vénus


Este é um modelo que já existia, porém, surge com aplicações. Meio gótico, meio tribal é o Justilho Astarte Petróleo e Prata. Tamanho 36.

Soutien não incluído.

Thursday, December 3, 2009

Feira Estrelas de Lisboa

As Estrelas de Lisboa vão estar no jardim. E o Umbigo de Vénus® tem novidades de deixar o teu sorriso iluminado. Aparece na Estrela a 5 e 6 de Dezembro, das 9h às 18h.

Que as Estrelas iluminem a dança da vida.

A dança do ventre na Antiguidade era uma linguagem simbólica de comunicação mulher-mulher que encerrava toda a história da feminilidade das mulheres dançarinas. De facto, esta dança não nasce como forma de exibição para entreter o homem mas, pelo contrário, como "forma de entretenimento e de relacionamento" entre as mulheres.

Flavia De Marco